Curitiba, PR 18/5/2021 – Segundo dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), o uso tanto da cocaína fumada quanto a cocaína cheirada tem aumentado no Brasil.

Segundo dados da UNODC o uso da cocaína tem aumentado no Brasil. Vista a relevância, é preciso compreender melhor as intercorrências geradas pela cocaína.

A cocaína é uma das drogas que mais faz dependentes químicos no Brasil e no mundo. Segundo dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), a agência da ONU encarregada de coordenar as atividades internacionais de fiscalização de entorpecentes, o uso tanto da cocaína fumada (crack, “merla” e “oxi”) quanto a cocaína cheirada tem aumentado no Brasil. 

Esses dados contrastam com os países onde o uso de cocaína vem diminuindo gradualmente, como nos Estados Unidos ou onde o consumo se estabilizou, tal como na maioria dos países europeus. Segundo o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, há muitas razões para uma elevada taxa de consumo: a posição geográfica do Brasil; vizinho dos maiores produtores de cocaína do mundo – Peru, Colômbia e a Bolívia; sua população jovem (o Brasil tem quase 35% de sua população de 15 a 34 anos); o aumento socioeconômico observado na última década no Brasil, o que representa um poder de compra e o preço barato da cocaína no país.

Além disso, a cocaína é um problema que tem afetado os estudantes. Uma pesquisa, realizada pelo VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras, mostrou um aumento de 1,7% para 1,9% no consumo de cocaína entre 2004 e 2010.

O médico Luiz Antonio Marques de Mendonça, que trabalha na Clínica Cleuza Canan e já atendeu uma série de dependentes químicos, muitos deles dependentes de cocaína, esclarece alguns pontos.

Quanto tempo dura o efeito da cocaína?

– A cocaína é uma das drogas que têm efeito bem rápido, mas o tempo exato de início depende de como a droga é utilizada. Se ela é usada na forma de pó e, assim, inalada, a substância começa a fazer efeito dentro de 1 a 3 minutos. Por outro lado, se a cocaína é fumada ou injetada na veia, ela atinge o cérebro em poucos segundos. A diferença de tempo vem da velocidade com que ela entra em sua corrente sanguínea. Quando inalada, a droga tem que passar primeiro pelo muco, pele e outros tecidos. Fumar e injetar a droga faz com que a substância passe para a corrente sanguínea quase que instantaneamente. Em relação a quanto tempo os efeitos da cocaína duram também depende da forma como a droga é consumida. Os efeitos da droga inalada geralmente duram de 15 a 30 minutos. Se a cocaína é fumada ou injetada, os sintomas permanecem por cerca de 5 a 15 minutos. A duração e a intensidade dos efeitos não são as mesmas para todos. Geralmente, ao fazer o uso da droga pela primeira vez, os efeitos são fortes e permanecem por quase uma hora. Mas, ao fazer o uso recorrente, o corpo habitua-se à substância e fica mais tolerante aos efeitos da droga.

Pensando em um contexto de diagnóstico da dependência de cocaína, de que forma e em até quanto tempo se pode detectar o uso dessa droga?

– A cocaína pode ser detectada em exames de urina até 72 horas após a utilização da substância. Tal período pode ser ampliado em casos de pessoas que fazem o uso crônico da droga. Quando utilizado o filamento capilar, é possível detectar o uso dentro do período de 90 dias. Caso fragmentos das unhas sejam objetos de análise, é possível identificar o consumo realizado dentro de um período de cerca de 180 dias.

Quais são os sintomas de quem faz uso de cocaína?

– A cocaína é um poderoso estimulante que é bem viciante devido aos efeitos curtos, mas intensa. Os efeitos dessa droga são: êxtase e sensação de superioridade, sentido que nada pode conter a pessoa, dando uma coragem até mesmo irresponsável. Tomada em doses menores, a cocaína produz efeitos de felicidade, sociabilidade, concentração e uma menor necessidade de dormir. Entretanto, quantidades maiores de cocaína são particularmente perigosas. Grandes doses podem causar comportamento violento, hemorragias nasais, ataques cardíacos, derrames e até mesmo a morte. Os efeitos colaterais adversos comuns do uso da cocaína incluem:

  • Dores de cabeça
  • Pressão arterial alta
  • Náusea
  • Problemas para dormir
  • Coma
  • Calafrios
  • Confusão mental

A extensão dos efeitos colaterais a longo prazo depende da frequência e da quantidade de cocaína utilizada durante um período de tempo prolongado. Com o tempo, o abuso da cocaína pode afetar o cérebro, pulmões, coração, rins e sistema gastrointestinal. O abuso contínuo da cocaína também pode levar a efeitos colaterais comportamentais e fisiológicos prejudiciais, tal como depressão.

Como ajudar um dependente químico de cocaína que está com sintomas do uso da droga?

– Em primeiro lugar, manter vigilância constante sobre o usuário, buscando evitar que a pessoa saia de casa e se exponha aos riscos ambientais externos. Existem outras medidas que podem ser tomadas para evitar a manutenção do uso: pode ser prudente recolher objetos que possam ser utilizados para a aquisição da droga, como chave do carro, celular e dinheiro, evitando maiores prejuízos ao indivíduo que não se encontra no pleno gozo de suas faculdades mentais. É imprescindível encaminhar o sujeito para a avaliação de um especialista, visando a interrupção imediata do uso e tratamento, minimizando, assim, os danos decorrentes do uso da substância.

Quem cheira cocaína emagrece?

– Sim, pois um dos efeitos da cocaína é tirar o apetite. Contudo, a cocaína é uma droga perigosa em parte por seu potencial altamente viciante, mas também representa sérios riscos para a saúde geral de uma pessoa. 

Como é o comportamento de um dependente de cocaína?

– A cocaína altera o estado mental do indivíduo que faz uso dela. Muitas vezes o comportamento se torna impulso, enérgico e até mesmo criminoso. Neste sentido, a cocaína inibe o senso de moralidade e faz com que muitos dependentes se envolvam em comportamentos imprudentes e arriscados que colocam não só a própria vida em risco, mas também a de terceiros.

Qual o tratamento mais eficaz para tratar a dependência de cocaína?

– O dependente da cocaína precisa de uma abordagem conscientizadora, de preferência mediada por uma equipe multidisciplinar, utilizando-se da abordagem terapêutica cognitivo-comportamental. 

É possível acessar mais informações sobre os efeitos da cocaína e como buscar ajuda para o tratamento de dependências químicas por meio do site da Clínica Cleuza Canan: https://clinicacleuzacanan.com.br/ 

Website: https://clinicacleuzacanan.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui