O isolamento causado pela pandemia da COVID-19 trouxe inúmeras mudanças comportamentais para a população. Com isso, os costumes de consumo também sofreram transformações, e isso não seria diferente para o mercado imobiliário. Mesmo com a crise, o mercado se manteve estável, e isso se deve principalmente pela ampla procura por imóveis nesse período.

Perfil dos imóveis

A procura por kitnets e flats caiu cerca de 10% durante a pandemia. Já o interesse por casas em bairros predominantemente residenciais subiu aproximadamente 8%, enquanto à procura por casas de condomínio cresceram 20%. Outro fator que incentivou foi a quantidade específica em número de quartos nos imóveis. A procura por apartamento mobiliado com apenas 1 quarto teve uma queda de aproximadamente 10%, enquanto imóveis com 2 ou mais quartos subiram 30%.

Muita gente preferiu sair dos centros urbanos. Com isso, a procura por sítios, chácaras e fazendas para alugar em regiões mais afastadas aumentaram desde o início da pandemia. Porém, ao longo que o ano foi passando, foram percebendo que era necessário repensar sobre a locação, afinal a pandemia duraria bem mais do que o previsto.

Imóveis ideais pós pandemia?

Devido a pandemia, o modo de olhar para as funcionalidades de um imóvel passou por grandes mudanças. Muitos moradores ficaram mais cautelosos, afinal a pandemia e o isolamento social muitos imóveis vão exigir, daqui para a frente, acabamentos, móveis e decorações que demandem praticidade e fácil limpeza.

O isolamento social estimulou muitas famílias e moradores a tornar o imóvel mais aconchegante, de se ter um espaço apropriado para o home office, além de valorizar os espaços de lazer e aproveitar mais os momentos em família. A pandemia despertou a necessidade de melhorar os espaços, tornando-os mais confortáveis e receptivos.

Além disso, muitas pessoas já estão investindo em plantas dentro de casa, para trazer um pouco de verde para os ambientes. Por isso, daqui para frente serão mais comuns imóveis que possuam espaços para jardim.

Home office

Por consequência da pandemia e das medidas de isolamento, muitas empresas se adaptaram a trabalhar em home office. Após um ano de pandemia, muitos escritórios permanecem vazios e optam por deixar seus funcionários trabalhando em casa – algo que deve permanecer durante esse ano de 2021. O trabalho e estudo remoto fez com que as pessoas passassem mais tempo em casa e, muitas tiveram que se organizar com os espaços que tinham em suas casas.

Além da necessidade de um espaço para trabalhar e próprio para realizar o home office, a procura por imóveis com mais de 120 m² refletiu na necessidade de espaços para lazer, como sacadas no caso dos apartamentos e casas com quintais ou condomínios fechados. Por conta das orientações da OMS e distanciamento social, vários estabelecimentos comerciais e locais públicos precisaram fechar ou diminuir o número de visitantes, o que impactou diretamente no quesito lazer.

Imóveis com espaços amplos

Há algum tempo, a tendência no mercado imobiliário eram os imóveis menores e compactos, porém com a pandemia isso mudou. Muitas empresas cogitam manter o home office após a pandemia, por isso algumas pessoas estão em busca de casas ou apartamentos mais espaçosos e flexíveis, onde possam exercer suas atividades profissionais. Outro fator é que, por passarem mais tempo em casa, as pessoas precisam de espaços que possibilitem momentos de lazer, seja com espaços para convívio familiar ou lugares onde os filhos possam brincar.

As pessoas estão em busca de imóveis maiores, além de analisarem outros aspectos, por exemplo, a ventilação da casa. Afinal, antes, as pessoas não faziam tanta questão de manter as janelas abertas, pois tinham o ar condicionado no seu ambiente de trabalho. E agora, elas se preocupam com a ventilação existente dentro da sua própria casa.

Imóveis afastados dos centros urbanos

Com essa mudança de perfil nas pesquisas de imóveis, as vendas de imóveis também mudaram de localização. Por exemplo, regiões mais distantes dos centros urbanos estão dentre as mais procuradas para aqueles que buscam por imóveis durante a pandemia, principalmente para as famílias com crianças e animais de estimação. Após meses de pandemia, as pessoas começaram a repensar o modo de viver, muitas deixaram o aluguel para comprar um apartamento em Perdizes, por exemplo, um dos bairros mais procurados de SP.

 Os financiamentos ficaram mais acessíveis e com o desemprego em alta muitos passaram a investir na aquisição, pois os aluguéis aumentaram de forma exponencial. Deste modo, muitas pessoas optam por recomeçar a vida em regiões com menor custo de vida, mas que ao mesmo tempo ofereçam qualidade de vida e segurança.

Praticidade

O isolamento social redefiniu o perfil mais procurado, desde o design mais simplificado até a praticidade com limpeza e manutenção.  Afinal, ambientes que antes não recebiam atenção dos moradores hoje são onde eles passam maior parte do seu tempo. Seja casa ou apartamento, todos tiveram que se adequar ao novo normal para trabalhar e estudar em casa. E isso envolve mudanças até mesmo de imóvel, por isso várias imobiliárias foram contratadas durante a pandemia e os imóveis mais procurados são aqueles que trazem mais qualidade de vida e comodidade aos interessados.

Gostou deste artigo? Compartilhe em suas redes sociais para que mais pessoas saibam como o isolamento social ressignificou o perfil de imóveis mais procurados!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui