Liderança feminina impulsiona a performance e lucratividade de startups

    0

    Campinas, SP 8/3/2021 – Startups criadas por pelo menos uma mulher possuem desempenho 63% melhor e resultados financeiros até 2,5 vezes superiores.

    A representatividade feminina no comando das startups tem avançado. Várias pesquisas indicam a correlação entre diversidade de gênero na liderança e o desempenho superior em geração de valor financeiro e competitivo de longo prazo.

    A presença das mulheres em posições de liderança vem crescendo ano a ano e nos ecossistemas de inovação não é diferente. A representatividade feminina tem tido cada vez mais espaço no comando das startups e, além de equilíbrio de gênero, pesquisas apontam que empresas com pelo menos uma cofundadora apresentam melhor desempenho em comparação àquelas iniciadas apenas por homens.

    O continente Latino-Americano possui 16% de representatividade de mulheres em posições seniores em tecnologia da informação, conforme pesquisa realizada pela KPMG em parceria com a Harvey Nash. Apesar dessa porcentagem ainda ser pequena, ela é superior à média global de 11% de mulheres em posições seniores em tecnologia da informação.

    Um estudo feito pelo fundo de capital de risco First Round Capital apontou que as startups fundadas por mulheres apresentam performance 63% melhor. Ainda neste sentido, segundo o Boston Consulting Group, a cada dólar que uma mulher fundadora ou cofundadora levanta, ela gera 2,5 vezes mais receita do que um fundador do gênero masculino. Adicionalmente, a pesquisa realizada pela McKinsey denominada Delivering Through Diversity mostra que empresas que possuem diversidade de gênero na direção possuem lucratividade 21% superior.

    Cenário brasileiro

    De acordo com dados do Cubo Itaú, hub de inovação e plataforma de geração de negócios entre startups, as mulheres ocupam posições de liderança em 28% das startups da comunidade. O número está acima da média nacional, pois segundo a Associação Brasileira de Startups apenas 15,7% possuem mulheres à frente do negócio.

    As barreiras culturais ainda são os maiores empecilhos para esse crescimento, especialmente em ambientes de tecnologia, mas avanços podem ser percebidos. Para se ter uma ideia, somente 20% dos profissionais da área de Tecnologia da Informação no Brasil são mulheres, conforme o estudo da Softex.

    Mulheres na Liderança Tecnológica

    Mudanças mais significativas ainda são necessárias para se consolidar um cenário de maior diversidade nas empresas, principalmente no ramo de tecnologia e na liderança de startups de tecnologia, mas sinais de avanço já podem ser observados. O estudo da Crunchbase mostra que a porcentagem de startups com apenas fundadoras que captaram investimentos nos últimos 10 anos foi cerca de 3% do total de recursos no mercado, enquanto as startups que contam com fundadoras e fundadores captaram três vezes mais. Por outro lado, a boa notícia é que o investimento em startups com ao menos uma cofundadora aumentou em oito vezes nos últimos dez anos.

    O Brasil possui casos de sucesso como startups de alta tecnologia lideradas por mulheres que estão crescendo e captando investimentos, e até uma das empresas consideradas como “unicórnios” brasileiros, o Nubank, tem uma cofundadora, a Cristina Junqueira. Outro caso interessante é o da Neuralmind, startup desenvolvedora de produtos de Inteligência Artificial para mercado financeiro e segurador, baseada em Campinas, São Paulo. A startup é liderada pela engenheira Patricia Tavares, CEO e cofundadora da empresa, que mesmo no contexto econômico ainda mais desafiador devido à pandemia tem alcançado conquistas importantes.

    Nesse período, a NeuralMind aumentou o número de clientes, captou seu primeiro investimento seed e conseguiu reconhecimentos importantes, como a recente seleção para integrar o Cubo Itaú. Além disso, pelo segundo ano consecutivo, a Neuralmind foi premiada no ranking 100 Open Startups, que destaca as startups líderes no mercado brasileiro. E, também, foi destaque entre as 10 melhores startups de Inteligência Artificial, categoria inédita no prêmio. Em 2019, a startup já havia sido reconhecida entre as Top 10 na categoria de Visão Computacional. “Sinto-me totalmente parte de um movimento de mulheres que acreditaram em seu espaço na alta liderança”, conta Patricia.

    Uma sócia mulher

    Mais que estudos e pesquisas, quem salienta os benefícios da presença feminina no comando da startup é Roberto Lotufo, sócio-fundador da NeuralMind e CTO. Segundo ele, as qualidades das mulheres somam muito aos negócios. “Elas são multitarefas, conseguem fazer várias coisas simultaneamente e com qualidade, têm uma sensibilidade e percepção dos relacionamentos humanos muito aguçados. Sem contar no espírito materno para defender com afinco a equipe”, diz.

    Lofuto valoriza a atuação da sócia no atual patamar alcançado pela startup. “A Patricia é admirável na sua coragem, ousadia, capacidade de liderança, resiliência e determinação. Todos esses fatores refletem o estágio de crescimento que a NeuralMind conquistou até hoje. Trabalhamos em conjunto, mas o drive da empresa é dado por ela, sem dúvida”, completa.

    Exemplos que inspiram

    Ver mulheres no topo serviu de inspiração para Patricia, que mirou em pessoas como a Primeira-ministra do Reino Unido, Margaret Tatcher, e a juíza norte-americana Ruth Bader Ginsburg, “Elas foram grandes mulheres, com trajetórias exemplares. Assim como elas se tornaram referência para mim, acredito que nosso exemplo pode inspirar a próxima geração de líderes femininas. Por isso, acredito ser nosso papel estimular o desenvolvimento da liderança em outras mulheres”, destaca.

    Segundo Patricia, o caminho para escalar a trilha da liderança possui muitos desafios, mas os exemplos de mulheres bem-sucedidas no comando de empresas cresce cada vez mais. “Acredite no seu potencial e trabalhe duro para continuar expandindo suas competências. Seja sempre flexível mas determinada. Mantenha uma postura de aprendizado, mudança constante e o sucesso virá”, aconselha.

    Futuro

    A partir da sua visão sistêmica do negócio e das perspectivas futuras, Patricia busca cada vez mais inserir mulheres em seu time e encorajar o ingresso feminino no universo da inovação.

    “Nosso objetivo é trabalhar constantemente na evolução da tecnologia e na incorporação dela em negócios de diferentes portes, permitindo que as competências das pessoas, homens e mulheres, seja mais bem empregada em trabalhos mais criativos e complexos. O progresso de empresas de tecnologia como a nossa abre oportunidade para reconhecermos cada vez mais o talento feminino nessa área, tão tradicionalmente ocupada por homens”, reforça.

     

     

     

    Website: http://www.neuralmind.ai